Unificações Européias

Unificações de Alemanha e Itália
A UNIFICAÇÃO DA ITÁLIA:

O Congresso de Viena (1814-1815) dividiu a Itália em sete Estados:




Reino Sardo-Peimontês - governado pela família dos Sabóia.
Reino da Lombardia - governada pela Áustria.
Estados Pontifícios - autoridade da Igreja Católica.
Ducado da Toscana, Parma e Modena - governada pela Áustria.
Reino de Nápoles ou das Duas Sicílias - governado pela família dos Bourbons.


Até o século XIX a Itália era basicamente agrária.

No Norte ocorriam os primeiros investimentos na industrialização. Surgindo uma burguesia industrial.

Em meados do século XIX, Giuseppe Mazzini tenta unificar a península itálica em uma república, mas fracassa.

Na segunda metade do século XIX, Vítor Emanuel II, rei piemontês, recebendo apoio de Napoleão III, aproxima-se da burguesia e inicia o processo de unificação italiana.

A Áustria coloca-se contrária a tal processo de unificação, dando inicio a uma guerra entre estes países.

Com a ajuda da França, os austríacos são vencidos. Fortalecendo o processo de unificação da Itália.

Giuseppe Garibaldi vence as batalhas de Montebello (20/05/1859) e Magenta (04/07/1859).

A guerra une vários reinos italianos.

A partir de 1860, os reinos são unificados e Vítor Emanuel é aclamado rei.

Em 1870 o processo de unificação é completado e Roma torna-se a capital.

Em 1929, através do Tratado de Latrão, é criado o Estado do Vaticano.

A UNIFICAÇÃO DA ALEMANHA:

Até meados do século XIX, a Alemanha era formada por uma confederação de principados e Estados com sede em Frankfurt.

A Prússia e a Áustria destacavam-se dentro desta confederação.

A agricultura era a principal atividade econômica, mas mantinham-se relações feudais de produção.

A mão-de-obra concentrava-se nos meios urbanos, procedentes da exclusão rural.

Devido ao desemprego e as más condições de vida, surgem diversas revoltas por toda a Alemanha.

A indústria estava em processo de afirmação e não ocorria em todas as regiões da Alemanha.

Para diminuir os impostos alfandegários, é criada a Zollverein, abolição da cobrança de impostos em transações de estados alemães com exceção da Áustria.

Essa medida impulsionou a circulação de mercadorias e também o desenvolvimento industrial na região.

Surgem diversas e antagônicas manifestações de interesses na Alemanha:

Os grandes industriários desejavam reformas garantidas por uma constituição.
A pequena burguesia pretendia a democratização dos estados alemães.
As lideranças urbanas e os operários partilhavam de idéias socialistas.
Guilherme I, rei da Prússia, concede à Otto von Bismarck a presidência do parlamento.

O aristocrata Bismarck, aproxima-se das camadas populares, ganhando apoio destes.

Bismarck passa a defender a hegemonia prussiana em detrimento da Áustria.

Em 1866, a Prússia vence os austríacos na Batalha de Sandowa. Após este confronto a Áustria desliga-se dos Estados germânicos e juntamente com a Hungria forma o Império Áustro-Húngaro.

Mesmo com a saída da Áustria a Alemanha continua dividida.

A Prússia lidera a Confederação Germânica do Norte.

Os Estados do Sul foram impedidos de participar da confederação devido as ameaças de invasão da França.

A França declara guerra à Prússia e é derrotada em 18/01/1871.

Devido a vitória germânica é criado o Império Alemão, sob o comando de Guilherme I, que recebe o título de Kaiser (imperador).

Com a criação do Império Alemão, a Alemanha surge como uma grande potência européia:

Poderoso exército - venceu a Áustria e a França.
População numerosa e urbana.
Crescimento industrial invejável.

Bismarck cria uma legislação trabalhista e programas de assistência social.

Porém devido a divergências com o Kaiser Guilherme I, Bismarck, o “Chanceler de Ferro”, é deposto.

No início do século XX a Alemanha já é uma das maiores potências mundiais.

Um comentário:

  1. Olá professor, seu blog é muito bom, gostei mesmo, porém minha opinião é que você deveria por mais explicações não pondo muitas frases, fica tipo "dei uma informação em frases, agora ele se virem pra montar a ideia conjunta", me compreende? Bom, acho que deveria explicar em parágrafos mais longos e em uma continuidade que se encaixe uma nas outras.
    Obrigado,
    Dhiogo Corrêa.

    ResponderExcluir