Egito Antigo

História do Egito Antigo
Religião, Economia, Sociedade, pirâmides, faraós, cultura e ciência dos egípcios, escrita hieroglífica, Rio Nilo, história da África, desenvolvimento científico, cultura e arte.
Introdução
A civilização egípcia antiga desenvolveu-se no nordeste africano (margens do rio Nilo) entre 3200 a. C (unificação do norte e sul) a 32 a.C. (domínio romano).
Como a região é formada por um deserto (Saara), o rio Nilo ganhou uma extrema importância para os egípcios.

O rio era utilizado como via de transporte (através de barcos) de mercadorias e pessoas.
As águas do rio Nilo também eram utilizadas para beber, pescar e fertilizar as margens, nas épocas de cheias, favorecendo a agricultura.
A sociedade egípcia estava dividida em várias camadas, sendo que o faraó era a autoridade máxima, chegando a ser considerado um deus na Terra.
Sacerdotes, militares e escribas (responsáveis pela escrita) também ganharam importância na sociedade.
 Esta era sustentada pelo trabalho e impostos pagos por camponeses, artesãos e pequenos comerciantes.
 Os escravos também compunham a sociedade egípcia e, geralmente, eram pessoas capturadas em guerras.
Trabalhavam muito e nada recebiam por seu trabalho, apenas água e comida.



Civilização Egípcia

Egito Antigo: Um oásis em meio ao deserto

Na história da humanidade, variadas civilizações e culturas, com suas respectivas singularidades, enriqueceram o manancial de toda a nossa experiência existencial. Uma das civilizações mais importantes que irromperam na Antiguidade, há cerca de 4.000 anos antes de Cristo, foi a civilização egípcia. O Egito Antigo desenvolveu-se às margens do rio Nilo, no Nordeste da África, nas regiões chamadas de Vales Férteis, em virtude dos compostos orgânicos presentes nas terras próximas ao rio citado.
A antiga civilização egípcia fez-se presente no seio das grandes civilizações que se desenvolveram na Europa, no Médio Oriente e na Península Arábica. São vários os relatos de povos antigos sobre o Egito, desde hebreus e fenícios até gregos e romanos. As grandes pirâmides do vale de Gizé (localizadas perto da cidade do Cairo) e os hieróglifos, ou a escrita hieroglífica, são, até os dias de hoje, exaustivamente estudados por especialistas. As pirâmides perpassaram por muitos momentos históricos, como a batalha de Napoleão Bonaparte travada próximo a elas nos fins do século XVIII.

Evolução Política 
Em mais de 3000 anos o Egito foi marcado por grandes oscilações políticas, glórias e decadências. A história do Egito antigo é dividida em dois períodos: Pré-dinástico, desde a formação das primeiras comunidades até a 1ª dinastia de faraós; e Dinástico, com três fases principais, Antigo, Médio e Novo Império.

Período pré-dinástico (5000 - 3200 a. C.)
No começo, o Egito era habitado por povos que viviam em clã, os nomos. Os nomos eram independentes, mas cooperavam quando havia problemas comuns, como abrir canais de irrigação, construir diques... As relações desses se transformaram até a formação do Reino do Baixo Egito, ao norte, e o Reino do Alto Egito, ao sul. Em aproximadamente 3200 a. C. esses dois reinos foram unificados sob o comando de Menés, este, se tornando, faraó absoluto do Egito, considerado como um deus na Terra. Usava uma coroa dupla demonstrando unificação entre os reinos. Assim surge a primeira dinastia, acabando esse período.

Período Dinástico (3200 - 1085 a. C.)
Durante essa época é que são construídas as pirâmides e há um grande crescimento territorial e econômico.

Antigo Império (3200 - 2423 a. C.)
Durante esse período faraós conquistaram enormes poderes religiosos, militares e administrativos. Queóps, Quefrén e Miquerinos, faraós da IV dinastia, tiveram grande destaque, sendo os mandantes da construção das principais pirâmides.
O Estado era composto por enorme número de funcionários para administrá-lo. Nos mais altos cargos estavam os administradores das províncias (nomos), os supervisores de canais e planejadores de construções (alguns deles eram escravos, excetuando-se os administradores das províncias, mas viviam muito bem). Na base uma imensa legião de trabalhadores que plantavam, construíam e arcavam com os altos tributos. Como capital o Antigo Império teve primeiro Tinis e após Mênfis.
Por volta de 2400 a. C. houve uma série de revoltas lideradas pelos administradores dos nomos com objetivo de enfraquecer o poder centralizador do faraó, com isso o Egito entrou num período de declínio e guerra civil.

Médio Império (2160 - 1730 a. C.)
Representantes dos nobres de Tebas reuniram forças para acabar com as revoltas, assim essa cidade acabou tornando-se a capital e dela surgiram os faraós dos próximos séculos. Nesse período o Egito teve uma relativa estabilidade política, crescimento econômico e das produções artísticas. Isso impulsionou conquistas territoriais, com a anexação da Núbia (região rica em ouro).
Em aproximadamente 1750 a. C., o Egito foi invadido pelos hicsos (povo nômade vindo da Ásia). Hicsos mostraram-se superiores militarmente, usando cavalos (desconhecidos para egípcios) para puxar carros de combate e armas de bronze. Assim dominaram o norte do Egito, estabelecendo a capital em Ávaris, permanecendo lá por volta 170 anos.

Novo Império (1500 - 1085 a. C.)
Nobreza de Tebas novamente entra em cena para expulsar hicsos. Inicia-se grande expansão militar. Usando técnicas militares dos hicsos faraós organizaram exércitos permanentes, lançando-se as conquistas. Invadiram cidades de Jerusalém, Damasco, Assur e Babilônia. Povos submetidos eram obrigados a pagar tributos em ouro, escravos...
Entre mais famosos faraós do período esta Tutmés III, Amenófis IV e Ramsés II.
Em aproximadamente 1167 a. C. revoltas populares agitam o Egito, com a maioria da população envolta em tributos pesados e afundando na pobreza, enquanto faraós e chefes militares exibiam luxuria.

Decadência do Egito
Após o séc. XII a. C, o Egito foi invadido por vários povos. 670 a. C, os assírios dominam o Egito por 8 anos. Após libertar-se dos assírios, o Egito começa fase de recuperação econômica e cultural, conhecida com renascença saíta, devido ser impulsionada por soberanos da cidade de Sais. Mas isso durou pouco, pois, em aproximadamente 525 a. C., persas conquistam o Egito.

E quase dois séculos após, vieram os macedônios, comandados por Alexandre Magno, que derrotaram os persas. E em 30 a. C., os romanos dominam o Egito.



11 fatos sobre o Antigo Egito que provavelmente você desconhece

O Antigo Egito manteve-se como uma das civilizações mais avançadas do mundo por cerca de 3.000 anos e criou uma cultura tão rica que gerou o seu próprio campo de estudo: a egiptologia. A arte, a arquitetura e a religião egípcia tornaram-se objetos duradouros da nossa fascinação e ainda há muita coisa que nós não sabemos sobre os famosos construtores das pirâmides. Desde o primeiro tratado de paz que se tem notícia até a paixão dos faraós por antigos jogos de tabuleiro, nessa postagem descobriremos 11 fatos surpreendentes sobre o presente do Nilo.


1 – Cleópatra não era egípcia


Junto com  Tutancâmon, talvez nenhuma figura associada com o Egito Antigo seja mais famosa do que Cleópatra VII. Nascida em Alexandria, Cleópatra era, na verdade, parte de uma longa linhagem de gregos macedônios originalmente descendentes de Ptolomeu I, um dos generais de confiança de ​​Alexandre, o Grande. A dinastia ptolomaica governou o Egito de 323 a 30 a.C, sendo que a maioria de seus líderes permaneceu em grande parte grega em sua cultura e sensibilidade. Cleópatra era famosa por ser um dos primeiros membros da dinastia ptolemaica que realmente falava a língua egípcia.


2 – Os antigos egípcios fizeram um dos primeiros tratados de paz da história


Por mais de dois séculos, os egípcios lutaram contra o império hitita pelo  controle das terras do que é hoje a moderna Síria. O conflito deu origem a confrontos sangrentos como a Batalha de Kadesh, em 1274 a.C. Lá pela época do faraó Ramsés II,  nenhum dos lados tinha conseguido subjugar o outro. Os egípcios e os hititas passaram a enfrentar ameaças de outros povos, então, em 1259 a.C, Ramsés II e o rei hitita Hatusil III negociaram um famoso tratado de paz. O acordo punha fim ao conflito e decretava que os dois reinos ajudariam um ao outro em caso de uma invasão por terceiros. O tratado egípcio-hitita é agora reconhecido como um dos primeiros acordos de paz da história. Uma cópia dele pode até mesmo ser vista na entrada para a Câmara do Conselho de Segurança das Nações Unidas, em Nova Iorque.


3 – Os antigos egípcios tinham paixão por jogos de tabuleiro


Depois de um longo dia de trabalho ao longo do rio Nilo, os egípcios muitas vezes relaxavam jogando jogos de tabuleiro. Existiam vários jogos diferentes, incluindo "Mehen" e "Cães e Chacais", porém,  o mais popular talvez tenha sido um jogo de azar conhecido como "Senet." A idade desse passatempo remonta tão longe quanto 3500 a.C. Ele era jogado em uma placa longa com 30 quadrados pintados nela. Cada jogador tinha um conjunto de peças que eram movidas ao longo da placa de acordo com o número indicado por quatro plaquinhas de madeira. Os historiadores ainda se debatem sobre as regras exatas do Senet, mas há pouca dúvida sobre a popularidade do jogo. Pinturas retratam a rainha Nefertari jogando Senet e faraós, como Tutancâmon, tinham tabuleiros do jogo enterrados com eles em suas tumbas.


4 – As mulheres egípcias tinham uma ampla gama de direitos e liberdades


Embora possam ter sido publicamente e socialmente vistas como inferiores aos homens, as mulheres egípcias desfrutavam de uma grande dose de independência jurídica e financeira. Elas podiam comprar e vender bens, atuar como membros de um júri, fazer testamentos e até mesmo assinar contratos legais. As mulheres do Antigo Egito não costumavam trabalhar fora de casa, mas quando o faziam, elas geralmente recebiam um salário equivalente ao dos homens, quando realizavam o mesmo trabalho. Ao contrário das mulheres da Grécia antiga, que eram efetivamente  propriedade de seus maridos, as mulheres egípcias também tinham o direito de se divorciar e de se casar novamente. Os casais egípcios são conhecidos por negociar um antigo acordo pré-nupcial. Esses contratos listavam todos os bens e riquezas que a mulher havia trazido para o casamento e garantiam que ela  seria compensada, no caso de um divórcio.


5 – Os trabalhadores do Antigo Egito organizavam greves


Mesmo considerando o faraó uma espécie de deus vivo, os trabalhadores egípcios não tinham medo de protestar por melhores condições de trabalho. O exemplo mais famoso vem do século XII a.C, no Império Novo, durante o reinado do faraó Ramsés III. Quando os trabalhadores envolvidos na construção da necrópole real em Deir el-Medina não receberam seu pagamento habitual de grãos, eles organizaram uma das primeiras greves registradas da história. Os operários simplesmente entravam nos templos mortuários próximos e lá ficavam sentados, se recusando a sair até que suas queixas fossem ouvidas. A estratégia funcionou; eles acabaram recebendo os salários atrasados.


6 – Os faraós geralmente eram gordos


A arte egípcia geralmente retrata os faraós como tendo corpos esculturais, mas é provável que não tenha sido bem assim. A dieta egípcia de cerveja, vinho, pão e mel, era rica em açúcar, e estudos mostram que ela pode ter feito um estrago nas cinturas reais do Antigo Egito. Exames em múmias indicaram que muitos governantes egípcios eram doentes, acima do peso e que muitos deles sofriam de diabetes. Um exemplo notável é a lendária rainha Hatshepsut, que viveu no século XV a.C, seu sarcófago a retrata como esbelta e atlética, mas os historiadores acreditam que ela era, na verdade, gorda e com pouco cabelo.


7 – As pirâmides não foram construídas por escravos


A vida de um construtor de pirâmides certamente não era fácil. Os esqueletos dos trabalhadores dessas construções mostram comumente sinais de artrite e de outras doenças laborais, mas as evidências sugerem que os túmulos dos faraós  foram construídos não por escravos, mas por trabalhadores pagos. Essa antiga massa de trabalho da construção era formada por artesãos qualificados e por trabalhadores temporários que pegavam no pesado. Alguns deles parecem ter tido muito orgulho por seu ofício. Desenhos encontrados perto dos monumentos sugerem que muitas vezes os trabalhadores davam nomes humorísticos aos seus grupos, como os "Bêbados de Miquerinos" ou os "Amigos de Khufu." A ideia de que escravos construíram as pirâmides ao estalo de um chicote, foi evocada pela primeira vez pelo historiador grego Heródoto, no século V a.C, mas a maioria dos historiadores modernos a rejeita, considerando-a um mito. Contudo, os antigos egípcios certamente não eram contrários a manter escravos, tudo indica que eles eram usados principalmente nas lavouras e como servos domésticos.


8 – Tutancâmon pode ter sido morto por um hipopótamo


Pouco se sabe sobre a vida do faraó menino Tutancâmon, mas alguns historiadores acreditam que sabem como ele morreu. Tomografias do corpo do jovem monarca mostram que ele foi embalsamado sem o seu coração ou sem  a sua parede torácica. Esse desvio drástico da prática tradicional do sepultamento egípcio, sugere que ele pode ter sofrido uma lesão horrível antes de sua morte. De acordo com um punhado de egiptólogos, uma das causas mais prováveis ​​para esta ferida teria sido a mordida de um hipopótamo. As evidências indicam que os egípcios caçavam esse animais por esporte, e estátuas encontradas na tumba de Tutancâmon o retratam no ato de atirar uma lança. Se o faraó menino, de fato apreciava caçar hipopótamos, então talvez, sua morte tenha sido o resultado de uma caçada que deu errado.


9 – Alguns médicos egípcios se especializavam em certos campos da medicina


Um antigo médico  geralmente era pau para toda obra, mas existem provas de que os médicos egípcios, por vezes, se focavam no tratamento de apenas uma parte do corpo humano. Essa forma inicial de especialização médica foi observada pela primeira vez em 450 a.C pelo viajante e historiador Heródoto. Descrevendo a medicina egípcia, ele escreveu: "Cada médico é curandeiro de uma doença e não mais ... alguns dos olhos, alguns dos dentes, outros do que se refere à barriga." Esses especialistas egípcios tinham nomes específicos. Dentistas eram conhecidos como "os médicos dos dentes", já o termo para proctologista se traduz literalmente como "pastor do ânus."


10 – Os antigos egípcios criavam e adestravam animais de estimação


Os egípcios viam os animais como encarnações dos deuses e foram uma das primeiras civilizações a manter animais de estimação. Eles gostavam particularmente  de gatos, que eram associados com a deusa Bastet, mas também reverenciavam os falcões, íbis, cachorros, leões e babuínos. Esses animais ocupavam um lugar especial no lar egípcio e muitas vezes eram mumificados e enterrados com seus donos depois de terem morrido. Outras criaturas eram especialmente treinadas para trabalhar como animais auxiliares. Policiais egípcios, por exemplo, eram conhecidos por usar cães e macacos treinados para ajudá-los quando em patrulha.


11 – Egípcios de ambos os sexos usavam maquiagem


A vaidade é tão antiga quanto a civilização e os antigos egípcios não eram exceção. Tanto homens como mulheres eram conhecidos por usar grandes quantidades de maquiagem, que segundo a crença, dava-lhes a proteção dos deuses Hórus e Rá. Esses cosméticos eram feitos por moagem de minérios como malaquita e galena em uma substância chamada Kohl. Em seguida, eram aplicados ao redor dos olhos com utensílios feitos de madeira, osso e marfim. As mulheres também enfeitavam suas bochechas com tinta vermelha e usavam henna para colorir as mãos e unhas; ambos os sexos usavam perfumes feitos a partir de óleos, mirra e canela. Os egípcios acreditavam que sua maquiagem tinha poderes mágicos de cura e não estavam totalmente errados: pesquisas comprovaram que os cosméticos à base de chumbo usados ​​ao longo do Nilo, realmente ajudavam a evitar infecções oculares.

2 comentários:

  1. Grande civilização mística!
    Como realmente saber?
    O escrito de mão em mão não poderia ser mudado?
    Como entender o passado se pode ter sido modificado?
    Responda-me
    Acredito ou não?
    Só não me diga que isso ira partir de mim!Cansei desta resposta.

    ResponderExcluir
  2. Essa civilização teve ajuda de seres de outro planeta que vivenciou a cultura, que ajudou na matematica e na astrologia muita coisa aconteceu mais poucos sabem e decifram esses segredos pois o que esta escrito é só uma base desse mundo. Esto leva a um pensar que como seres manisfestaram para essa civilização e vem esse ponto que tudo mundo pensa ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????falem true false:

    ResponderExcluir