Babilônia

Introdução 
Muitos historiadores afirmam que a Babilônia é um dos berços das civilizações, pois é uma das sociedades mais antigas que conhecemos.
Situada na região da Mesopotâmia (entre os rios Tigre e Eufrates) apresentou um grande desenvolvimento social, econômico, político e cultural.
Achados arqueológicos apontam para a existência da sociedade babilônica há mais de cinco mil anos.

Reinado de Hamurabi
A grandiosidade da Babilônia apareceu durante o reinado de Hamurábi.
 Este rei, utilizando sua habilidade bélica, conquistou várias cidades e regiões ao redor.
Governou criando leis severas.
O Código de Hamurábi baseava-se na idéia do “olho por olho, dente por dente”.
Ou seja, a pessoa que cometia uma irregularidade ou crime pagava com uma punição no mesmo sentido e intensidade.
Este código de leis foi registrado em escrita cuneiforme e gravado em pedras de argila.
 A economia da região era baseada na agricultura (praticada às margens dos rios Tigre e Eufrates) e no comércio.
Durante esta época a Babilônia tornou-se uma das regiões mais prósperas do mundo antigo.
 A cidade era composta de habitações luxuosas e grandes templos religiosos. 
Estes, eram administrados pelos sacerdotes, que também tinham a função de tomar conta das finanças do governo.

Reinado de Nabucodonosor
Após a morte de Hamurábi, a Babilônia perdeu força e foi invadida e conquistada por diversas tribos da região.
Voltou a ganhar poder e importância somente no século VI AC, durante o reinado de Nabucodonosor.
 Este rei retomou as conquistas e ampliou as áreas de domínio e influência.
Ordenou a construção de muralhas em volta da cidade.
Dentro das muralhas foram construídos diversos templos e palácios luxuosos, decorados com pinturas e jardins.
Para sua esposa, Nabucodonosor ordenou a construção dos famosos Jardins Suspensos da Babilônia (uma das sete maravilhas do mundo antigo).

Curiosidade: 
A agricultura na Babilônia era praticada graças a um complexo sistema de canais de irrigação, construídos nas margens dos rios Tigre e Eufrates.
Estes canais conduziam a água para regiões mais internas da cidade.
 Faziam também reservatórios de águas.
 A agricultura baseava-se, principalmente, na produção de cereais.



Religião
De modo geral os povos eram POLITEÍSTAS.
Adoravam deuses ligados a natureza.
Eram místicos, desenvolveram a magia, adivinhação e astrologia.
NÃO acreditavam na vida após a morte.
Seus templos eram erguidos sempre em homenagem a um deus.
Textos sagrados / epopeia de Gilgamesh.

Nenhum comentário:

Postar um comentário